Exposições

2005 | Lia Menna Barreto

Foram três dias de intenso trabalho na cidade de Natal, e o resultado: 91 "tapiocas de boneca" expostas nas paredes centenárias que a Casa da Ribeira preserva dentro do espaço de exposição. A artista se colocou numa situação limite para produzir as "tapiocas". Elegeu, por e-mail três dias de trabalho, um para a coleta de material, outro para elaborar o trabalho com a ajuda de artistas locais e no último a montagem seguida da abertura da mostra e de uma conversa sobre o seu trabalho. No dia seguinte, voltando para Porto Alegre, concluiu no avião que seus cálculos haviam dado certo, tudo correra como planejara. Trabalhara três dias com muita concentração de energia, que tudo no local ficara à seu favor para que a obra nascesse.

Do diário da artista

Coleta de material: primeiro dia
Bairro do Alecrim - encontro as mesmas bonecas que usei num trabalho que havia feito no início dos anos 90, "Bonecas derretidas", (bonecas fundidas com o calor sobre organza de sêda pura), e decido retomar o mesmo movimento sobre as toalhinhas redondas de colocar em bandejas que estavam sendo vendidas para turistas que visitam Natal. Toalhinhas feitas de crochê, renda renascença, caicó, bilro e linho. Decidi que seriam todas redondas e a quantidade, 91,  foi dada pelo valor disponível para a compra do material.

A oficina: segundo dia
Solar - A diretora do Solar cede um espaço dentro do Solar, para a oficina se realizar entre coqueiros, árvores centenárias, suco de cajú e acerola, bolo, biscoitos e água gelada para todos. Seis  artistas locais se prontificam para ajudar na criação do trabalho. 91 bonecas, 91 ramelhetes de rosas pequenas e 91 toalhas redondas. O movimento limite foi colocado pela artista, para os artistas locais: cada toalha receberia, com o calor do ferro de passar, uma boneca e um ramalhete. Após algumas instruções iniciou-se o trabalho, e nos damos conta que estamos trabalhando numa roda onde a conversa rola, assim como as rendeiras e bordadeiras talvez tivessem se sentado, e feito aquelas toalhas que serviam de base para as bonecas.

Montagem da exposição, abertura da mostra e conversa: terceiro dia
As bonecas fundidas sobre suportes individuais indicaram muitas possibilidades na montagem, o contrário do que ocorreu com o trabalho feito em 1995, onde elas ocupavam o mesmo suporte. Assim, a escolha da parede centenária foi feita após inúmeras possíveis montagens que o conjunto apontava. Círculos, linhas, caminhos pelos lugares mais altos do espaço foram investigados, desenhos no chão, que só uma obra dividada em 91 partes independentes pode oferecer.

Conclusão
A fusão da história da cidade de Natal representada pelas paredes centenárias, pelas rendas e pelas tapiocas, bens culturais que a cidade preserva com o meu movimento de fusão boneca-tecido iniciado há apenas 10 anos atrás, no extremo sul do país, resultou num diálogo entre períodos históricos diferentes, cidades opostas, se considerarmos que uma está localizada no RGN e a outra no RGS do país e posssuem diferenças culturais marcantes, são as duas pontas de um país enorme que neste trabalho intitulado "Tapiocas de Boneca" se misturam em tempos e situações diferentes de criação. Há algo de violento e doce nesse encontro, de agressivo e apaixonado, como é comum acontecer nos relacionamentos com o oposto, com o desconhecido, com o estrangeiro.

Lia Menna Barreto - 16 de julho de 1995.
Galeria de fotos
 
 
Veja
também:
PRÓXIMAS ATRAÇÕES
SáBADO
19h
 
Peça premiada do Grupo Carmin faz única apresentaç...