História

Inaugurado no dia 06 de Março de 2001, o Espaço Cultural Casa da Ribeira comemorou, em 2013, 12 anos de existência, e o casarão que o abriga, 102 anos de história (construído em 1911).  A Casa está localizada no bairro da Ribeira, em Natal RN, localidade recentemente tombada pelo IPHAN como Patrimônio Cultural Brasileiro.

Foto: RICARDO JUNQUEIRA
A Casa da Ribeira comporta no prédio histórico um Teatro com 164 lugares, uma Sala de Exposições, um Laboratório de Ideias - LABi, um Acervo Literário com mais de 1400 títulos e um Café Cultural. Nesses 12 anos de atividades a Casa comemora a marca de 2.200 espetáculos diferentes apresentados a um público de mais de 180 mil pessoas.

 A Casa da Ribeira é um espaço cultural independente, idealizado pela iniciativa do Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare e desde 2001, administrado por um grupo de artistas e produtores, através de uma associação cultural com personalidade jurídica própria. A gestão e ações do Centro Cultural são definidas em Assembléias Ordinárias, com periodicidade semanal.

 
Foto: RICARDO JUNQUEIRA  A Casa da Ribeira foi erguida graças ao apoio da iniciativa privada, com investimentos diretos e através das leis de incentivo à cultura Câmara Cascudo e Rouanet. É uma Organização Privada sem fins lucrativos, com reconhecimento de Utilidade Pública Municipal e Estadual e como Ponto de Cultura Brasileiro.

A Casa é um espaço que valoriza as temporadas de grupos e artistas e tem como foco o desenvolvimento humano através das artes, entendendo às apreciações artísticas como importantes oportunidades de conhecimento e convivência. Nesse sentido, tem como prioridade elaborar projetos para o acesso facilitado de públicos à programação do Centro Cultural. Esse olhar para o "público" é parte do amadurecimento de seu papel enquanto Instituição Cultural e é um dos aspectos mais importantes da trajetória de 12 anos de funcionamento.

O Processo

Testemunha de muitos fatos, o casarão de número 52 da Rua Frei Miguelinho nasceu como uma modesta hospedaria em 1911. Os moradores mais antigos da Ribeira contam que, no primeiro andar, marinheiros, vendedores e boêmios dormiam após fecharem bares pela rua Chile e travessas. Tempos depois, o casarão foi transformado em oficina de navios, sendo posteriormente, por muito tempo, a Padaria Palmeiras, uma das principais panificadoras dos bairros da Ribeira e das Rocas. O prédio também foi uma das primeiras sedes do Armazém Pará, loja especializada no comércio de materiais de construção, tendo sido desocupado e fechado em 1988, e assim permanecendo até ser descoberto por Gustavo Wanderley e Ariane Mondo, então integrantes do Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare, em 1997.

O Grupo na época sonhava com um lugar onde pudesse montar e apresentar seus espetáculos e desejava oferecer aos artistas e ao público potiguar um espaço para temporadas e festivais. Uma casa, no sentido mais acolhedor da palavra, que tivesse ótima qualidade técnica.

Com o patrocínio da iniciativa privada, a partir das leis federal e estadual de incentivo à cultura, o grupo começou a desenhar a idéia da Casa da Ribeira, projetada pelo arquiteto Haroldo Maranhão, de maneira a preservar o valor histórico e ao mesmo tempo revelar a intervenção moderna.

A primeira empresa que acreditou no projeto foi a Telemar, que se firmou como co-patrocinadora com o investimento de R$ 90 mil. Em seguida, veio o Armazém Pará, que doou 70% do material de construção para a obra, além da cessão do próprio imóvel. O grupo de artistas e produtores trabalhava noite e dia estudando marketing cultural, políticas culturais e elaborando materiais para visitas a potenciais patrocinadores. Nessa época além da atual diretoria também dedicaram seu tempo e esforço Soraya Guimarães, Víni Fernandes, Fernando Yamamoto, Ronaldo Costa, César Ferrário e Luciana Freitas. Num segundo momento, uniu-se ao grupo, que passou por diversas formatações, Val Dias, Carolina Lopes e Maria de Jesus. Além desses, foi indispensável a colaboração direta ou indireta, de muitas formas, dos amigos publicitários, jornalistas, artistas e profissionais de diversas áreas que passaram a sonhar junto com o grupo.

Foram incontáveis reuniões, que começavam madrugada adentro na casa de Fernando Yamamoto e depois passaram a ser feitas no primeiro escritório, uma sala cedida pelo tio de Henrique (Sr. José de Arimatéia Fontes) e mobiliada com pertences dos integrantes, mas mesmo assim, durante um ano não se conseguia um novo patrocínio para que as obras de fato pudessem começar.

Até que um dia, após um curso de marketing cultural custeado com a venda de camisetas da Casa, Gustavo chegou com uma idéia: "Precisamos fazer um evento para que a cidade conheça e deseje esse projeto". Assim, nasceu o "Na Rua da Casa..." , um verdadeiro festival multiartístico que passou a ser realizado mensalmente aos domingos. Foram, sem dúvida, as 19 edições do evento, realizado em frente ao casarão ainda em ruínas, com a participação voluntária de artistas, que o sonho da Casa começou a ser compartilhado com toda a cidade.

A cada mês, o público se multiplicava, mais artistas aderiam ao movimento e cada vez mais a imprensa voltava os olhos para a idéia, projetando-a para todo o Estado. Assim, os empresários começaram a ouvir o nome da Casa e a dar credibilidade ao projeto. A TV Cabugi (atual InterTV) e depois a TV Ponta Negra entraram como parceiras, cedendo espaço em sua programação para exibir os vídeos institucionais da Casa. Estes eram criados por Vini e César e realizados pela produtora Sinal de Vídeo, atual DVP.

O esforço não foi em vão: em 2000, a Cosern decidiu fazer um investimento até então inédito em projetos culturais no Estado do RN, entrando com uma cota de patrocínio no total de R$ 326 mil e tornando-se a principal empresa patrocinadora. Logo depois, a Petrobras também acreditou no sonho daqueles jovens artistas e firmou sua marca com o co-patrocínio de R$ 122 mil.

Várias outras empresas locais também participaram com permuta de materiais e serviços, foram elas: Potycret, Offset Gráfica, Florence, Arcol, Diário de Natal, Bandeirantes Outdoor, ADS Segurança, Hotel Vila do Mar, Restaurante Guinza, Oficina da Luz, Mármore Ltda e Cabuginet. A Casa da Ribeira ficou pronta, parcialmente equipada, mas completamente restaurada e pronta para abrir suas portas sob um investimento total de R$ 1milhão e 150 mil.

Em 06 de Março de 2001, após 4 anos de trabalho de captação de recursos e apenas 4 meses de construção, o sonho se concretizou: o Centro Cultural Casa da Ribeira abriu suas portas para a arte de qualidade e mantém até hoje um espaço para reflexão, formação, convivência e transformação através da arte.

Valores, compromissos e gestão

A Casa da Ribeira completa, em 2013, 12 anos de atividades. Nesse tempo de vida mais de 2.200 espetáculos diferentes e 180 mil espectadores passaram pela Casa que se mantém graças à criação e desenvolvimento de projetos (80% dos recursos) e as locações de pautas (20% dos recursos). Não há, atualmente, investimentos privados ou públicos visando a manutenção direta da Casa da Ribeira e suas atividades. A Casa da Ribeira utiliza todas as leis de incentivo à cultura disponíveis e inscreve projetos em vários editais anualmente.

Com uma gestão pautada pela economicidade e otimização dos recursos, funcionamos de segunda a domingo, com apenas 06 funcionários. Tem custo anual (despesas) estimada para 2012 em R$ 240 mil reais pelo projeto Cena Aberta Formação em trâmite na Lei Câmara Cascudo, contaremos também com investimentos da ordem de R$ 300 mil para a o programa de ocupação Cena Aberta Nordeste contemplado pelo edital Procultura do Ministério da Cultura. Ambos os investimentos serão feitos em parceria com iniciativa privada através da lei de incentivo à cultura estadual.

Como meta institucional, visamos o acesso facilitado aos bens culturais e artísticos através da disponibilização de uma programação rica e diversa: oferecer a cada espectador uma experiência diferenciada de apreciação artística. Defendemos que uma gestão cultural deve ser sempre focada em criar condições para que as pessoas inventem seus fins culturais.




Veja
também:
PRÓXIMAS ATRAÇÕES
SáBADO
19h
 
Peça premiada do Grupo Carmin faz única apresentaç...